240_F_41217218_nIoZYkkt0j4C6XC9zJL30K1eOCBtbCeF.jpg

Estudo Bíblico

Toda Quarta | 19h30

PRESENCIAL E ON-LINE

Acompanhe nossos estudos anteriores no 

  • YouTube

  • Estudo Bíblico - O Trabalho de videira
    22 de jun. 19:30 – 30 de nov. 19:30
    Soteco, R. Afrânio Peixoto, 10 - Soteco, Vila Velha - ES, 29106-130, Brasil
    Na próxima quarta-feira, às 19h30, daremos início a mais uma série de estudos bíblicos: O trabalho de videira. Na verdade, trata-se do módulo 2 do programa do curso: Uma igreja simplesmente discipuladora. Anote aí: Aula 1 – Projeto Videira.
  • Pequenos Grupos (PG)
    sex., 29 de jul.
    Soteco
    29 de jul. 19:30 – 30 de jul. 19:30
    Soteco, R. Afrânio Peixoto, 10 - Soteco, Vila Velha - ES, 29106-130, Brasil
  • PROJETO NILSON BRAGA (PNB)
    sex., 15 de jul.
    São Lourenço
    15 de jul. 19:00 – 25 de jul. 19:00
    São Lourenço, R. Durval Águiar Franco, 79 - São Lourenço, Serra - ES, 29176-857, Brasil
    As obras estão a todo vapor, e o dia de início do projeto se aproxima: 15 de julho. É possível ainda contribuir em espécie por meio de depósito bancário: • Caixa Econômica Federal – Ag. 1034-1 – C/C.: 22205-5 – PIX: 041.836676-40 (CPF). • Bradesco – Ag. 0436 – C/C 452.313-0 – PIX: pnb199@uiecb.com.b

EVENTOS

nossas redes sociais

Pastoral

Custos de Seguir a Jesus

  Quando falamos sobre “custo” nos referimos à capacidade que temos de calcular perdas e ganhos visando a uma tomada de decisão. Entendo por “decisão” toda e qualquer situação em que, não importa qual seja a escolha, haverá perdas e ganhos. Nesse caso, calcular o custo é tomar consciência do que vamos perder e ganhar numa determinada decisão. No fundo, as pessoas calculam custos o tempo todo, pois sempre estão decidindo. Isso é assim mesmo quando não decidem. Afinal, “não decidir” também é uma decisão e, como toda decisão, ela tem perdas e ganhos.
  O discipulado como ato de seguir a Jesus é uma decisão. Portanto, tem um custo. Qual é o seu custo? Em Lucas 14.25-35, Jesus responde essa pergunta: (v.25) Uma grande multidão o acompanhava; e ele, voltando-se na direção dela, disse: (v.26) Se alguém vier a mim, e amar pai e mãe, mulher e filhos, irmãos e irmãs, e até a própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo. (v.27) Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo. (v.28) Pois qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro para calcular as despesas, para ver se tem como acabá-la? (v.29) Para não acontecer que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a zombar dele, 30dizendo: Este homem começou uma construção e não conseguiu terminá-la. (v.31) Ou qual é o rei que, antes de entrar em guerra contra outro rei, não se senta primeiro para consultar se com dez mil pode ir de encontro ao que vem contra ele com vinte mil? (v.32) Mas, pelo contrário, enquanto o outro ainda está longe, manda emissários e pede condições de paz. 33Assim, todo aquele dentre vós que não renuncia a tudo quanto possui não pode ser meu discípulo. (v.34) O sal é bom; mas, se ele se tornar insípido, com que se há de restaurar-lhe o sabor? (v.35) Não serve nem para a terra, nem para adubo, mas é jogado fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.
  Com base nesse texto, o ato de seguir a Jesus pressupõe três demandas:

  1) um certo tipo de amor (v. 26);

  2) um certo tipo de sofrimento (v. 27); e

  3) um certo tipo de desapego (v. 33).

  Neste texto falaremos somente da primeira.
  O custo do amor. “Se alguém vier a mim, e amar pai e mãe, mulher e filhos, irmãos e irmãs, e até a própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo” (Lc 14.26). A primeira demanda do discipulado é o amor. Não o amor em geral, mas um amor específico. Pessoas podem amar a Deus como se ele fosse de barro ou de metal, ou como mais uma pessoa importante que disputa nossa atenção em relação aos outros. Quando isso acontece — de alguém amar a Deus como se ele fosse meramente mais uma coisa entre outras ou mais uma pessoa entre outras — Deus não está sendo priorizado. Ele é apenas mais um item na agenda. O verdadeiro discípulo ama a Jesus como Deus, isto é, acima da família e da sua própria vida. Quando amamos nossa família mais do que a Deus, nossa família não é amada como deveria ser. Na verdade, quando isso acontece, ela é amada no lugar de Deus. Ela se torna um ídolo que controla toda a nossa vida e agenda. Portanto o discipulado requer que Cristo seja o centro e isso terá um custo principalmente se nossa família, bens ou nós mesmos ocuparem a centralidade do nosso coração.

 


(https://ministeriofiel.com.br/artigos/3-custos-de-seguir-jesus/, acesso em 14/07/2022, com adaptações)

Eventos

HORÁRIOS

Quarta: Estudo Bíblico às 19:30 (Presencial e Online)
Sexta: Culto de Oração às 19:30 (Presencial)
Domingo: Escola Bíblica Dominical - EBD às 09:00 (Presencial)
                Culto de Adoração às 18:00 (Presencial e Online)

Junte-se a nós